Ano Letivo

2013/2014

Unidade Curricular

Atelier 1A – Paisagem

Ano Curricular


Docência

Rute Carlos

Título do Exercício

A Paisagem da Veiga de Creixomil

Lugar de Intervenção

Veiga de Creixomil, Guimarães

Enunciado do Exercício

ATELIER 1A contempla um único exercício prático, faseado, que tem como objetivo a reflexão e a transformação da Veiga de Creixomil.

Partindo desta área de reserva agrícola e ecológica, procurar-se-á analisar a complexidade do lugar, interpretando os elementos, os processos, as dinâmicas e as lógicas relacionais que caracterizam a sua paisagem, de modo a formular uma estratégia de atuação que ative o seu potencial latente.

O exercício desenvolve-se em três fases:

(1) ANÁLISE – a partir da observação in situ e da exploração do lugar os alunos, em grupo, deverão construir uma narrativa (crítica e seletiva) que sintetize a problemática e o potencial do lugar e que aponte uma ideia/conceito de intervenção.

(2) ESTRATÉGIA – a través da exploração da ideia, os alunos deverão descobrir/desenvolver as ferramentas que permitem sintetizar o processo de atuação, enquadrando-o num projeto estratégico capaz de definir em simultâneo, um método de atuação e um compromisso formal com o lugar, definindo programa(s), escala(s) e tempos(s) de intervenção. Nesta fase serão também definidos os âmbitos de atuação individual.

(3) ATUAÇÃO – a partir da estratégia, cada aluno individualmente irá produzir um estudo preliminar de um âmbito de atuação, desenvolvendo ferramentas que o permitam sintetizar. Esta fase concluirá com a definição formal e construtiva de uma ou várias intervenções propostas.

Agro&Scapes

Jesus Fuentes

Painel individual 1/3. Jesus

Painel individual 1/3. Jesus Fuentes

Painel individual 2/3. Jesus Fuentes

Painel individual 2/3. Jesus Fuentes

Painel individual 3/3. Jesus Fuentes

Painel individual 3/3. Jesus Fuentes

A Veiga de Creixomil é uma importante fonte de recursos ambientais, económicos e urbanos para Guimarães. Este projecto centra-se na gestão dos recursos hídricos e do solo, para um melhor aproveitamento da estrutura parcelar.

Em primeiro lugar, houve uma catalogação (através de muitos desenhos, perguntas, fotos e passeios de bicicleta) de culturas e usos das parcelas envolvidas no projeto, a fim de saber como é que a Vega funciona.

Em segundo lugar, foram propostas uma série de estratégias para melhorar o desempenho e produtos da região. Estas estratégias foram distribuídas em três fases de trabalho:

 

Fase A. Visa melhorar e limpar a água da rede hidrográfica da Veiga a fim de fornecer uma melhor irrigação às parcelas e aos seus usuários. Foi adotado utilizar o método de macrófitas em parcelas estrategicamente selecionadas para purificar a água. Esta técnica tem dado tão bons resultados em outros países da Europa Central.

 

Fase B. Observando o estudo da operação atual, são propostas novas formas de explorar as parcelas de grande dimensão uma vez que as reformas da Fase A sejam aplicadas. Entre elas, ressalta-se a instalação de tanques de armazenamento de água,  locais melhorados para fazer compostagem e aplicação de novos programas de plantação adaptados ao terreno e ao clima de Guimarães.

 

Fase C. A última fase consiste na implementação da maior parte dos princípios definidos na fase anterior, mas para os pequenos lotes, adicionando a estes sistemas de “micro-hortas” tais como mesas de cultivo. Este sistema é voltado para pequenas cooperativas ou mesmo para autoconsumo.