Ano Letivo

2014

Unidade Curricular

Tese de Mestrado

Ano Curricular


Orientação

Cidália Ferreira Silva

Lugar de Intervenção

Estremoz, Portugal

O Marmorear de Estremoz: Paisagem em Movimento

Luis Esteves

O presente estudo reflete sobre o processo de transformação territorial resultante do movimento efetuado pelo mármore de Estremoz.

 

Marmorear é a estratégia de aproximação proposta que procura compreender o modo como o mármore condiciona e participa na transformação dos lugares onde é formado, extraído e aplicado. Esta investigação parte da análise do território do Anticlinal de Estremoz, uma estrutura geológica de destacada riqueza mineral, que abrange os concelhos de Estremoz, Borba e Vila Viçosa.

 

Ao acompanhar o conjunto de alterações que o mármore prova, desde a sua formação até à sua utilização prática, podemos entender que Marmorear está presente no processo de organização deste lugar (do ponto de vista geológico), na extração das pedreiras de Estremoz, no chão-praça que percorremos nesta cidade, na capela-mor do Mosteiro dos Jerónimos em Lisboa e além-fronteiras. Neste sentido, entendendo o mármore enquanto elemento de recomposição territorial, este trabalho, pretende evidenciar a ligação permanente deste recurso ao processo de transformação do território (próximo e longínquo).

 

Deste ponto de vista, o projeto de investigação foi estruturado a partir de três partes principais, que esclarecem os movimentos coexistentes do Marmorear, a saber: Percorrer, Entrecorrer e Ocorrer, que sinteticamente se definem pela: Aproximação às especificidades do território e descoberta do tema de investigação, através da experiência in situ (Percorrer); Representação do processo de transformação do território (Entrecorrer); Incitar o movimento suspenso do mármore, por isso ‘à espera de’, através da proposta de um material inovador, que tem o mármore desperdiçado como matéria de base (Ocorrer).

 

Pretende-se estimular o desenvolvimento de novas leituras sobre o território, gerando uma abordagem investigativa que integra a interdisciplinaridade dos lugares alterados pela presença do mármore de Estremoz. A investigação pretende, assim, criar uma aproximação metodológica específica em que tema e lugar se cruzam e informam permanentemente gerando novas formas de conhecimento.